CONTO: NO HOSPITAL


No hospital naquela segunda-feira a noite, saindo da anestesia, depois de uma bem sucedida operação para extração do apêndice, eu estava querendo dormir um pouco. Mas qual o quê? A minha acompanhante de quarto (quarto do SUS), que também havia sido operada, gemia de dor e quando conseguia cochilar, roncava como um porco em alguns momentos e em outros parecia uma chaleira...
Eis que a enfermeira entra no quarto para me medicar:
_ Vamos olhar sua pressão, sua temperatura, e vamos tomar mais um antibiótico!
Minha acompanhante:
_ Enfermeira! Preciso de um outro remédio para dor! Essa dipirona não adiantou nada! E preciso de um remédio para dormir! Tomo remédio para dormir!
_ Falou isso para o médico? Se não houver prescrição não posso fazer nada!
_ Falei sim!
_ Verei o que pode ser feito!
E eu pensando: "Graças a Deus, poderei dormir um pouco!"
Coça daqui e coça dali - efeito colateral da anestesia, eu remexia na cama, tentando achar uma posição menos incômoda para tentar cochilar... Porque a senhora continuava a roncar muito alto... Pedi para ela virar um pouco, pois daí ela parava um pouco de roncar... Nada! Ela não conseguia se mexer por causa da dor intensa e com isso, seu ronco não parava... E eu não conseguia dormir...
Um pouco mais tarde ainda, lá pelas onze horas da noite, a enfermeira veio medicá-la. Primeiro aplicou-lhe uma injeção de dipirona líquida - ela fez um pequeno teatrinho - falando que estava doendo... Tive que rir, gente! Mesmo sem poder! Depois ela tomou seus comprimidos para pressão e em seguida seu "santo" remédio para dormir!
Só depois de tudo isso é que eu consegui "pegar" no sono!
Ufa! Achei que nunca conseguiria...

Comentários

Luma Rosa disse…
Que situação!! Ou melhor, que sofrimento!! Você que devia pedir remédio para dormir! Beijus,

Postagens mais visitadas deste blog

SIGNIFICADO DOS NOMES DOS PLANETAS...

AMIZADE VERDADEIRA: ESTÁ EM DECADÊNCIA?

NOVIDADE: IOGURTE COMBATE A GASTRITE!!!